Sábado, 2 de Junho de 2007

Ele vem cá em Outubro (e eu vou comprar courtside tickets)


publicado por JNA às 02:51
link do post | dissertar | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Uma lágrima no canto do olho

Para quem não sabe, a língua falada em Shanghai é o Shanghainese.

 

Não, não é o mandarim.

 

E a diferença entre o mandarim e o shanghainese é um bocado mais do que sotaque. Muito mais. Apesar dos caracteres serem os mesmos (era só o que faltava, com 56.000 caracteres irem inventar novos...), as palavras são completamente diferentes.

 

Portanto vamos na rua e o que ouvimos é uma algarviada que não se percebe nada. A nossa professora, a Claire, diz que obviamente em casa e com os amigos fala shanghainese. Obviamente (já a Yuyu, porque os pais não são de Shanghai, fala mandarim - mas shanghainese com os amigos).

 

Aquela história de "ah e tal estás lá a ouvi-los falar o dia todo portanto devias falar fluentemente, só não falas porque és um calão", é parcialmente mentira. A primeira parte, a segunda é verdade.

 

Ainda assim ontem tive um pequeno momento de felicidade. Às vezes acontece. Mas não se preocupem que passou depressa.

 

Estava a ver o 24, Season 4, quando eis senão quando a China é metida ao barulho. Consul, consulado, refugiados, e toca de falar em mandarim.

 

Acreditem que lacrimejei quando comecei a perceber parte da conversa...

 

Ainda há esperança!


Domingo, 27 de Maio de 2007

Um povo cheio de vontade de vender

Não é a primeira vez que acontece. Pedimos uma coisa e, não havendo, trazem outra que não tem nada a ver.

 

São camisolas XXL quando pedimos o L, são relógios brancos quando pedimos pretos, etc...

 

Desta vez ficou registado em foto.

 

 

O Chico, que calça o 45 e não consegue arranjar ténis de maneira nenhuma, pediu os de cima em 45. Trouxeram os de baixo em 43.

 

Semelhanças?


publicado por JNA às 13:47
link do post | dissertar | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Isto sim é uma proposta de valor

Um dos (vários) benefícios de andar à procura de casa é olhar para os Classificados dos jornais.

 

Ao almoço este chamou-se a atenção:

 

"Two American ladies seek a roommate for their spacious flat in Pudong. (...) The apartment is shared with a sweet and eccentric 4 year old doberman."

 

Eu não sei o que me assusta mais, se são as "two american ladies" se é o "sweet and eccentric doberman".

 


Fomos despejados

Continuando na senda das boas notícias, temos menos de um mês para arranjar casa.

 

Muito resumidamente, há uns 2 meses e meio, a nossa senhoria tinha-nos pedido para deixarmos "uns amigos" ir ver a casa, porque estava muito bem decorada e para tirarem ideias, ... E nós tudo bem.

 

Passada uma semana, outros amigos. Aí já lhe dissémos:

 

NÓS: "O que tu queres sabemos nós. Tu queres bender a casa minha malandra..."

ELA: "Ah e tal, pois quero."

NÓS: "Ó filha, mas isso, parecendo que não, causa-nos transtorno."

ELA: "Ah e tal, não se preocupem porque até ao final do vosso contrato não deve haver problema. Só depois é que se mudariam." (ela começa sempre as frases por ah e tal)

NÓS: "Uhm..."

 

E continuámos a deixar gente ver a casa. Devem ter sido uns 4 ou 5 grupos no total.

 

Chega esta 3ª feira, ela liga ao Rui.

 

ELA: "Ah e tal, bendi a casa. E, temos pena, mas bocês têm de sair." (ela também diz os bês em bez dos bês)

RUI: "Oube lá, mas isso é quando?"

ELA: "Debe ser um mês."

RUI: "Tás consciente que bais ter de nos dar bom dinheiro?"

ELA: "É."

 

Ora sucede que o contrato estipula que qualquer das partes pode quebrar o contrato, a troco de dois meses de renda. Ah e tal, o mercado do arrendamento é flexível sim senhor, para o bem e para o mal.

 

Claro que nós, além dos dois meses e da devolução dos outros dois meses da caução, queremos espremê-la até ao último bimby. Comissão do agente, internet que foi paga para o ano todo, danos psicológicos de perder uma casa brutal, numa localização fabulástica, com court de ténis (inaugurado no Domingo passado num triangular, por Alves, Bueno e Chico), piscina, etc...

 

Agora, a novela toda de arranjar casa outra vez. Evidentemente que para pior não vamos, nem que tenhamos que gastar o dinheiro todo da indemnização. Empacotar tudo...

 

Já demos o toque ao Feng.

 

Updates as stuff happens.

 

 

 


publicado por JNA às 02:40
link do post | dissertar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

Um povo muito estranho

Eu enviei este mail:

 

"Please find attached summary of today's meeting on project "Begonia"...

 
Thanks,
 

Joao Alves"

 

E recebo esta resposta:

 

 

"Dear Joao,
 
Thank you very much for the info.
 
you are a good president.
 
Regards!
 
Kamel"

 

Acreditem no que vos digo. Um povo muito estranho.

 

 

 

PS: Sim, o facto de estar à frente do project "Begonia" (reparem que no mail até ponho aspas para ressalvar o ridículo da situação) não abona nada a meu favor, mas quando se está numa empresa de gajas e elas decidem que durante o ano os projectos vão ter nomes de flores, há pouco que eu possa fazer. Há uma música dos Sublime chamada Scarlet Begonias, mas não é grande consolo. Podia ser pior - em paralelo decorre o project Lily (o que me faz lembrar outra coisa...).

 

Por mim tinham nomes de cervejas - este seria o project "Budweiser", ou, para dar sorte "Bud Light".


publicado por JNA às 02:55
link do post | dissertar | favorito
|
Domingo, 13 de Maio de 2007

Temos um Kamel

O Kamel é amigo do Jimmy.

 

O Kamel é casado.

 

O Kamel esteve 2 anos em Karachi. Juro.

 

O Kamel entrou nisto das finanças por causa da Bolsa (surpresa...).

 

O Kamel tem uma mulher que lhe ensinou a ler relatórios & contas.

 

O Kamel não deve ter achado suficiente porque foi fazer um MBA na Cheung Kong.

 

O Kamel, 5 minutos depois de me conhecer, não hesitou em mandar a posta de pescada - "the best way to learn Chinese is to have a Chinese girlfriend!".

 

Eu devo ter qualquer coisa que deixa as pessoas à vontade para dizer coisas estúpidas logo à partida.

 

 

 

PS: o Kamel ainda não arrotou. E esteve no escritório mais de uma hora na sexta-feira...


Terça-feira, 8 de Maio de 2007

Chinglish em Yunnan


publicado por JNA às 14:27
link do post | dissertar | favorito
|

Mas afinal quantos são?

Depois de muita discussão sobre o tema, debrucei-me (sem cair) sobre a verdadeira dimensão da população de Shanghai.

 

E a que conclusão cheguei?

 

Ninguém sabe.

 

Aqui estão 10 números (entre parêntesis a posição ocupada no ranking mundial):

 

 

Eu bem sei que os anos de referência podem ser diferentes e que uma coisa é cidade outra é zona urbana, mas mesmo assim...

 

Acho que a única maneira é ir porta-a-porta perguntar quantos são. Deixo já o meu contributo:

No 2202, 8, 66, QingDaoLu são 2.

 

E depois, para baralhar, aparecem estes.

 

A partir de agora, quando me perguntarem, digo 13.636.217. Alguém que me desminta.


publicado por JNA às 08:32
link do post | dissertar | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Maio de 2007

Viajar na China não é fácil

 

 

PS: Pede-se desculpa pela linguagem (este senhor expressou todo um sentimento colectivo numa palavra), mas depois de 5 dias de casas de banho chinesas de buraco no chão (ou, em alternativa, vala)...

 


Domingo, 6 de Maio de 2007

Tudo dentro da legalidade!

 

Para que não restem dúvidas.


publicado por JNA às 18:17
link do post | dissertar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

"Mas foste em negócios a Pequim?"

A chamada viagem relâmpago, ideal para dar cabo de um gajo de vez.

 

Então vamos lá comparar o progóstico com o resultado final:

 

1. Apanhar o avião às 21:30 (22:30 com os atrasos) e chegar a Pequim às 00:05 (01:00 com os atrasos).

R: Por incrível que pareça, saiu a horas. Ou seja, cheguei a Pequim eram umas 23:50.

 

 

 

2. Apanhar táxi, não apanhar, toma lá 1h30 no hotel. Onde não vão falar inglês. Lá para as 2h00 hão de aceitar o passaporte.

R: O hotel era no fim do mundo. Ou seja, Pequim é grande, mas isto é ridículo. Foram uns 45minutos de táxi, sem trânsito. No final 170RMB. No hotel, de facto, não falavam inglês, mas a coisa acabou por correr bem e à 1:05 já estava no quarto.

 

 

3. Acordar às 08h00 (bom), não comer nada porque o pequeno-almoço vai ser só chinês (estou mesmo a ver) e reunir 30min com o Yang Qing.

 

 

R: Toma lá acordar às 05h50m. E às 06h30. E às 07h00. E de vez às 07h45m porque o pequeno almoço acabava às 08h30. Que era só chinês (como previsto). Nem um corn flake, um suminho, uma torrada, nada. Nem pão. Meti uma espécie de pão-de-ló e uns ovos mexidos manhosos no prato. Depois fui à loja do lado comprar uma água...

 

 

4. Reunião com os tipos do cimento às 10h. Em chinês.

 

R: Eu já tive reuniões em chinês, mas esta levou o prémio. Como já tinha escrito as perguntas que queria fazer, o Yang Qing foi perguntando. Mas basicamente a reunião começou com o YQ a falar 15 minutos em chinês (e a dar-me um resumo de 10 segundos) e depois com a "senhor do cimento" a falar 30 min em chinês (com o YQ a dar-me um resumo de 30 segundos). E a partir daí, foi chinês até ao fim. O YQ ficou de me enviar um resumo do que foi dito...

 

Uma nota para o trânsito de Pequim. Eu nunca vi nada assim. No fim-de-semana em que lá estive já tinha ficado com essa ideia, mas hoje foi ridículo. Todas as ruas têm 3, 4 faixas e mesmo assim não andam. Chegámos atrasados 30m à primeira reunião, que era a uns 2 ou 3 kms. Mais de 40 minutos de táxi.

 

 

5. Almoço com o tipo (chinês) que nos arranjou a reunião com os tipos do cimento.

 

O homem não podia. Almoço com o YQ (depois de mais 35min de táxi), pizzas e tal. Discussão filosófica sobre a azeitona portuguesa e a sua ausência no mercado chinês. Idem para o pastel de nata (o verdadeiro).

 

 

6. Reunião com os tipos da logística às 14h30. Em chinês.

 

E julgava eu que a primeira tinha levado o prémio... Esta estou curioso de receber o resumo. É que não faço a menor ideia de como correu. Mais uma vez fiz as perguntas, mas as respostas...

 

 

7. Voo de volta às 19:20 (20:20 com os atrasos). Chegar a Shanghai às 21:30 (22:30 com os atrasos). Casa lá para as 23:15.

 

Embarcámos a horas. E depois estivémos 1h30m dentro do avião à espera para descolar. às 20h40m a coisa aconteceu. Depois de 30m de um puto no banco da frente a berrar. O avião chegou lá para as 22h30m. O YQ achou que a casa dele ficava em caminho (em Pudong), toca de partilhar táxi. 48 kms, 50minutos e 180 bimbys depois, cheguei a casa.

 

 

8. Laris ou Barbarrosa depois? Doubt it...

 

Laris.


publicado por JNA às 18:42
link do post | dissertar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Chinglish once again

Há dois novos restaurantes em frente ao serviço.

 

Um é uma tascazita de noddles. Obrigado, mas se calhar não...

 

O outro é um restaurante de Xinjiang, a tal província no nordeste, que faz fronteira com o Cazaquistão, Rússia, Mongólia, etc...

 

O nome deste é: "Xinjiang rather goes on an expedition a restaurant".

 

Só pelo nome merece uma visita.


publicado por JNA às 04:26
link do post | dissertar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

A magia está feita

Hoje tive a honra de conhecer o Magic Cheng, no seu estaminé.

 

Fiel à sua palavra, o mago tratou-me do visto conforme solicitado - por mais 6 meses, ninguém me chateia.

 

Custou-me umas 3x o que custaria pelas vias oficiais, caso as vias oficiais não insistissem em me dar apenas um mês...


publicado por JNA às 06:56
link do post | dissertar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

Hoje é dia de ficar sossegadinho na fila

Parece que em Pequim se andam a receber SMS com o seguinte teor:

 

"The Civilized Capital Committee reminds you: the 11th of every month is Wait In An Orderly Line Day."

Aplaudindo a iniciativa, só pergunto: e então os outros dias todos do mês?

E antecipo a resposta: é o faroeste do costume...


Segunda-feira, 9 de Abril de 2007

O Jimmy bisou

e o segundo ainda foi melhor que o primeiro


Temos um Jimmy

Enquanto o James não chega, temos um Jimmy a fazer uns biscates.

 

O Jimmy tem um MBA aqui da business school de Shanghai.

 

O Jimmy gosta de marketing e estratégia.

 

O Jimmy, 20 minutos depois de começar a trabalhar, mandou um senhor arroto. Nem perdão, nem desculpa, nem mesmo aquele ar comprometido ("ups"...).

 

São estas "diferenças culturais" que nos enriquecem. E posso-vos dizer que, desde que cheguei, enriqueci bastante.


publicado por JNA às 06:19
link do post | dissertar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2007

Tenho de mudar de nome (senão não vou a lado nenhum)

Alves (e Albes), babe, baby, gaijo, JN, Joãoz..., João Nuno, Johnny, Jonas, miúdo, Nuno, ... , são alguns dos impropérios que me são dirigidos semanalmente por quem quer falar comigo. (Outros, por pudor e porque isto é lido por menores de idade, não coloco).

 

De vez em quando alguém me trata por João.

 

Ora é precisamente aí que reside o problema. Mais concretamente no "ão".

 

É que quando entrego isto...

 

 

(sem a parte do sample)

 

.... inevitavelmente recebo:

 

1. Uma enorme atrapalhação da outra parte (há quem literalmente coce a cabeça...)

2. Um esforço assinalável para perceber se a coisa por cima do A é uma gralha e para que é que serve

3. E, momentos depois, a incontornável pergunta:

 

"How do you pronounce your name?"

 

Ele é chineses, franceses, ingleses, irlandeses, italianos, .... Das primeiras vezes ainda tentava.

 

Hoje em dia fico-me por Juan (lido com j, não com r). JoÁo também é bom.

 

Acho que há gente que não fala comigo porque tem medo de não pronunciar bem o nome.

 

 

 

 

PS: E o grande problema do cartão, é que o reverso não é muito melhor...

 

 

É que este ..... este ..... nem eu sei pronunciar...

 


Quarta-feira, 4 de Abril de 2007

Licaldo Locha e Clistiano Lonaldo

Hoje no Working Group de Logística, um chinês, adepto do Tottenham, dizia-me:

 

"Licaldo Locha played vely well this weekend."

 

E eu por mim tudo bem.

 

 

 

PS: Claro que o mesmo senhor, quando me conheceu a mim e ao Rapazote, imediatamente disse "Poltugal? Clistiano Lonaldo!!! Vely good!"


publicado por JNA às 04:29
link do post | dissertar | favorito
|

Pôr ordem nisto! (eu também não gosto de jornalistas)

China Economic Review, hoje:

 

China: reporters must stop blackmail

Regulatory
4 April 2007

The central government has ordered newspapers to eliminate the common practice of demanding money from people they cover after the recent killing of a newspaper employee. In January, Lan Chengzhang was beaten to death after he tried to extort money from a mine owner by threatening to publicize his illegal operation,
AP reported. The government said newspapers also must make sure that only properly accredited reporters are allowed to conduct news gathering.


publicado por JNA às 04:25
link do post | dissertar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.dissertações recentes

. Ele vem cá em Outubro (e ...

. Uma lágrima no canto do o...

. Um povo cheio de vontade ...

. Isto sim é uma proposta d...

. Fomos despejados

. Um povo muito estranho

. Temos um Kamel

. Chinglish em Yunnan

. Mas afinal quantos são?

. Viajar na China não é fác...

.dissertações anteriores

.tags

. todas as tags

.outros dissertadores

.My Visual DNA

Read my VisualDNA Get your own VisualDNA™
SAPO Blogs

.subscrever feeds